Posts Tagged ‘jornal’

Simples assim para Schopenhauer

setembro 28, 2012

“O meio mais seguro para não possuir nenhum pensamento próprio é pegar um livro nas mãos a cada minuto livre.”

Schopenhauer acreditava que para ser um erudito, não bastava ter os melhores livros em sua biblioteca pessoal e apenas lê-los, precisaria fazer um estudo com aquele material para formarmos nossas idéias ou seja; absorver o conteúdo e refletir, aprofundando nossos conhecimentos.

Mas difere entre uma pessoa culta de um filósofo por exemplo, pois seriam outros tipos de “livros”, usando o termo figurado para representar a visão particular do mundo e os descrevendo “metalinguísticamente” (“o mundo para o mundo”).

Posteriormente ao filósofo, com os interesses nas teorias da comunicação uma delas baseada na Escola de Frankfurt iria mostrar os pontos negativos da mídia de massa (jornal, radio, cinema e TV) como a alienação. Entretanto nesse contexto atual, apenas ler um livro não lhe deixará menos alienado.

Então, não se limite a apenas ler um livro…

Sic passim

julho 30, 2012

“Está assim por toda parte” em latim.

Eu compreendo que a política de um modo nacional está completamente corrompida, a diferença seria: com quem “prender o rabo?” Não preciso dizer o quão são usados de propaganda as inaugurações, reformas em um ano de eleição.E de outra forma “grupos” usam o na este ano para contra-atacar, aproveitando a “boa” vontade dos políticos em resolver problemas porém, um grupo especifico usou a data como uma forma apelativa com um recurso muito antiquado, o que me deixou surpreso por tanto “antiguidade”. O grupo que me refiro é o “Trombeta” em que na edição de 2012, em um jornal com apenas 4 paginas, uma delas foi mostrada a “suposta” intimidação em que o carro do jornal foi “estilhaçado”.

Pois bem, conhecido as conseqüências desenfreados do fanatismo em “Idolatria ao Idiotismo”, tenho certeza que estilhaçar apenas 2 vidros de um carro seria pouco(financeiramente), que vândalos  mais generosos! Que coincidência ao saber que para concertar era apenas trocar os vidros (que são relativamente baratos).Se realmente alguém estivesse interessado em “destruir” um carro, começaria pelos pneus, retrovisores, lataria (com a famosa chave) e depois os vidros ou até mesmo o incendiaria.

Não informaram data, local ou BO… Que “basta” é esse? Sim para esta simulação de intimidação sairia muito caro para os bolsos dos mesmos, não valeria à pena. Mas nem tente novamente este ano, está muito na cara, que tal em outro ano eleitoral?