Posts Tagged ‘Brasil’

A copa das Copas 2014 é da Alemanha !

julho 17, 2014

Parabéns! Agora para o Brasil, só em 2018 na Rússia!

alemanha_2014_Copa

 

alemanha

Ode ao Nós

setembro 8, 2013

* Em alusão ao poema de Mario de Andrade “Ode ao Burguês”  (mantendo a cacofonia)

Nas passeatas de talvez um novo Brasil
De novos dias, claros com céu anil
O pensamento era um tanto vazio

Futebol, futebol, futebol…

Mas nesse caminho torto
Os jovens estavam passando
Muitos considerados como tontos

Coação, coação, coação…

Não é de surpreender
Que isso ia acontecer
Porém, estávamos questionando o poder

Coerção, coerção, coerção…

Gritávamos algo do tipo:
O Povo unido não precisa de partido!
Confundiram-nos com o vermelho comunismo e repetimos:

Anarquismo, anarquismo, anarquismo…

Depois voaram pedras
E voltaram tiros detrás
E alguns começaram a gritar:

É pra parar, é pra parar, é pra parar…

E ai tudo aconteceu
Ficamos surdos
Projeteis no céu

Não pare de correr, não pare de correr, não pare de correr…

Os prédios se curvaram sobre nós
E a chuva de estilhaços de vidro diante de nós
Uma nuvem espessa no luar, que me senti flutuar

Não coça o olho, não coça o olho, não coça o olho…

Bombas explodindo atrás de nós
Polícias ao nosso redor
Os PM’s dando cassete em nós

Não bate em nós, não bate em nós, não bate em nós…

A Mensagem da Juventude Brasileira

julho 19, 2013

NYlula

Artigo de Lula traduzido, integral “The Message of Brazil’s Youth” do NYT

São Paulo – Os jovens, os dedos rápidos em seus celulares, tomaram as ruas ao redor do mundo.

Parece mais fácil de explicar esses protestos quando ocorrem em países não democráticos, como no Egito e na Tunísia em 2011, ou em países onde a crise econômica aumentou o número de jovens desempregados assustadoramente altos, como na Espanha e na Grécia, que quando eles surgem em países com governos democráticos populares – como o Brasil, onde atualmente gozam as menores taxas de desemprego da nossa história e uma expansão sem precedentes dos direitos econômicos e sociais.

Muitos analistas atribuem recentes protestos a uma rejeição da política. Eu acho que é precisamente o oposto: Eles refletem um esforço para aumentar o alcance da democracia, para incentivar as pessoas a participar mais plenamente.
Eu só posso falar com autoridade sobre o meu país, o Brasil, onde eu acho que as manifestações são em grande parte o resultado de sucessos sociais, econômicas e políticos. Na última década, o Brasil dobrou o número de estudantes universitários, muitos de famílias pobres. Nós reduzimos drasticamente a pobreza e a desigualdade. Estas são conquistas importantes, no entanto, é completamente natural que os jovens, especialmente aqueles que estão a obtenção de coisas que seus pais nunca tiveram, devem desejar mais.

Estes jovens não viveram a repressão da ditadura militar nas décadas de 1960 e 1970. Eles não viveram durante a inflação dos anos 1980, quando a primeira coisa que fizemos quando recebemos nossos salários foi correr para o supermercado e comprar tudo o que fosse possível antes dos preços subirem novamente no dia seguinte. Lembram-se muito pouco sobre a década de 1990, quando a estagnação e o desemprego deprimido nosso país. Eles querem mais.

É compreensível que assim seja. Eles querem que as qualidades dos serviços públicos melhorem. Milhões de brasileiros, incluindo os da classe média emergente, compraram seus primeiros carros e começaram a viajar de avião. Agora, o transporte público deve ser eficiente, tornando a vida nas grandes cidades menos difícil.

As preocupações dos jovens não são apenas material. Eles querem maior acesso ao lazer e atividades culturais. Mas acima de tudo, eles exigem instituições políticas sejam mais limpas e mais transparentes, sem as distorções do sistema anacrônico político e eleitoral do Brasil, que recentemente se tem mostrado incapaz de gerir a reforma. A legitimidade dessas demandas não pode ser negadas, mesmo que sejam impossível encontrá-los rapidamente. É preciso primeiro encontrar recursos, estabelecer metas e definir prazos.

A democracia não tem compromisso para se silenciar. Uma sociedade democrática está sempre em fluxo, debater e definir as suas prioridades e desafios, em constante desejo de novas conquistas. Apenas em uma democracia pode ser um índio eleito presidente da Bolívia, e um Africano-Americano ser eleito presidente dos Estados Unidos. Apenas em uma democracia poderia um metalúrgico e uma mulher serem eleitos presidentes do Brasil.

A história mostra que, quando os partidos políticos são silenciados, e as soluções são procuradas pela força, os resultados são desastrosos: as guerras, as ditaduras e a perseguição das minorias. Sem partidos políticos não pode haver uma verdadeira democracia. Mas as pessoas simplesmente não querem votar a cada quatro anos. Eles querem interação diária com os governos locais e nacionais, e participar na definição de políticas públicas, oferecendo opiniões sobre as decisões que os afetam cada dia.
Em suma, eles querem ser ouvidos. Isso cria um enorme desafio para os líderes políticos. Ele exige as melhores formas de engajamento, através da mídia social, no trabalho e nos campi, reforçando a interação com grupos de trabalhadores e líderes da comunidade, mas também com os chamados setores desorganizados, cujos desejos e necessidades não devem ser menos respeitado por falta de organização .

Tem-se dito, e com razão, que enquanto a sociedade entrou na era digital, a política permaneceu no analógico. Se as instituições democráticas utilizarem as novas tecnologias de comunicação como instrumentos de diálogo, e não por mera propaganda, eles iriam respirar ar fresco em suas operações. E isso seria mais eficaz trazê-los em sintonia com todas as partes da sociedade.

Mesmo o Partido dos Trabalhadores, que ajudou a fundar e que tem contribuído muito para modernizar e democratizar a política no Brasil, precisa de profunda renovação. É preciso recuperar suas ligações diárias com os movimentos sociais e oferecer novas soluções para novos problemas, e fazer as duas coisas sem tratar os jovens paternalista.
A boa notícia é que os jovens não são conformistas, apático ou indiferente à vida pública. Mesmo aqueles que pensam que odeiam a política estão começando a participar. Quando eu tinha essa idade, eu nunca imaginei que me tornaria um militante político. No entanto, acabamos de criar um partido político e quando descobrimos que o Congresso Nacional praticamente não tinha representantes da classe trabalhadora. Através da política que conseguimos restaurar a democracia, consolidar a estabilidade econômica e criar milhões de empregos.

É evidente que ainda há muito a se fazer. É uma boa notícia que os nossos jovens querem lutar para garantir que a mudança social continua em um ritmo mais intenso.
A outra boa notícia é que a presidenta Dilma Rousseff propôs um plebiscito para realizar as reformas políticas que são tão necessárias. Ela também propôs um compromisso nacional para a educação, saúde e transporte público, em que o governo federal iria fornecer apoio técnico e financeiro substancial para estados e municípios.
Ao conversar com jovens líderes no Brasil e em outros lugares, eu gostaria de dizer-lhes o seguinte: Mesmo quando você está desanimado com tudo e com todos, não desista na política. Participe! Se você não encontrar em outros, o político que você procura, você pode achá-la em si mesmo.

Otimistas, acomodados ou desinformados?

junho 8, 2013

economia-brasileira-2013

“Segundo o estudo, 88% dos entrevistados no Brasil disseram que a situação econômica vai melhorar no período de um ano.”

“Ela [a ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior] disse acreditar que a meta do governo de crescimento de 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto) para este ano pode ser cumprida.”

Fonte: Brasileiros são os mais otimistas com economia 

Reflexos: Aprovação do governo Dilma cai pela primeira vez

Será que a frase positivista da bandeira terá de mudar para “Ordem e Regresso”?

Aos poucos o Brasil vai parando, o PIB cai e a inflação sobe, estão morrendo as opções viáveis que não afetariam as bases do governo. A recessão será bem lenta, o povo não poderá pagar todo o preço, mesmo se o Banco Central subir os juros para segurar a inflação, é preciso mexer num ponto que o governo nunca mexeu: nas despesas desse emparelhamento de Estado. Essa máquina de quase 40 ministérios não poderá ficar intocável, terão que cortar. Mas parece que o capitão vai ter que morrer junto com o navio afundando.

Para Dilma continuar a bordo, terá que resolver esses pontos citados (inflação, juros e cortes) para voltar no mapa de “expansão” brasileira.

O Golpe que ninguém viu em alta definição (da TV HD)

maio 28, 2013

tv_plasma

Se na sua sala ou quarto tem uma TV de LCD ou Plasma ou um conversor digital e que provavelmente adquiriu por volta do anúncio da TV Digital, você sabia que pode ter sido induzido a fazer isso?

É incrível que vi gente comprando um aparelho desses por 5 mil reais e mais ainda para aquelas que adquiriram o “conversor digital” por 90 reais enfim, vamos a algumas datas:

2007 – Anúncio da televisão digital no Brasil
2016 – Prazo estipulado de desligamento da televisão com sistema analógico

Dessa forma, a mídia induziu a compra desses aparelhos tanto na “explicação” de suas vantagens como nas propagandas “persuadindo” você para comprar. Introduziram também, o sistema de consumismo que nesse caso, você compra um produto novo e o velho nem tem problemas ou está defeituoso, uma compra antecipada, que por questões culturais/lógicas não fiz.

Nos mostruários dessas TVs serviam (e até hoje) apenas como “anti-propaganda”, com aquelas imagens borradas e ironicamente sem definição. Por incrível que pareça, no mínimo tenho ainda 3 anos para adquirir o aparelho antes do desligamento do sistema analógico porém, se compararmos os preços de 6 anos atrás, terei um bom desconto por um produto “atualizado”.

Idolatria ao Idiotismo

junho 27, 2012

Quem é mais “idiota”: O tolo ou aquele que o segue?

Não sei se vou conseguir sintetizar em apenas um texto os vários desdobramentos sobre o tema. Por exemplo: eventualmente ao usar o termo (mais que merecedor de um post) não posso apenas utilizá-lo como forma pejorativa relacionado a algo que particularmente não gosto, limitaria muito a idéia. É muito fácil a criação de uma relação entre aquilo que não aprecio com um adjetivo negativo, esse artifício é comum porém não convém com a totalidade, apenas se refere a um pedaço. Sempre esquecemos dos antecedentes e daqueles que apóiam, mas como eu em pleno gozo de minha lucidez pude fazer o discernimento e em seguida julgar algo como “idiota”, admitindo um grande número de pessoas que podem dizer o contrário.

Então estando ciente da forma da opinião ser moldada pela perspectiva e conhecimentos, se torna claro que não sou o único capaz de praticá-lo porém estaremos deparados com infinitas formas de chegar na mesma conclusão e também de discordá-la. É realmente chato quando uma conversa se transforma em uma briga de argumentos para descobrir quem está “certo”. Felizmente não se ganham prêmios para quem está “mais correto”, pois isso é insignificante comparado ao que está por de trás dos argumentos: a razão ou emoção?

Independente da escolha, cada qual tem um tipo de influência que afeta tanto o locutor como seu interlocutor, não preciso dar exemplos nem colocá-los em uma balança para demonstrar qual tem um peso mais significativo para a “vitória” mas justamente isso é o problema: de não interessar a “busca da verdade” apenas no zelo do título pseudo-intelectual; de que sabe falar mais, melhor com vários sinônimos e palavras desconhecidas do público comum isso só para deixar tudo mais confuso, numa tentativa de inibir o “adversário” a contra-argumentar.

O Apoio

Disso me faz lembrar do conflito “antigo” (até hoje existe apenas com outro nome) entre os filósofos e sofistas. Parece simples qual “lado” escolher mas em seus debates, não carregariam etiquetas denotando qual seriam suas formações (filosófica/sofistica), o que mostra também uma “deficiência” (não exatamente esta palavra) humana: de não conseguimos acompanhá-los em suas linhas de raciocínio. Então nós incapazes de compreender a totalidade de seus argumentos e muito pior quando prolixos, onde nos baseamos?

Ai que entramos num dos pontos, quando nem os argumentos são “suficientes” para defendermos algo, nos baseamos em fatores que não tem absolutamente nada a ver com o debate ou o contexto.  Os exemplos são milhares, brotam em todos os cantos, entretanto não colocarei nenhum aqui, pois não são importantes. O que é relevante é o dito-cujo de peito inflado, dizendo (ou batendo, outra forma “clássica”) que “eu estou certo e você está errado” sem argumentos é claro. Irônico até acharem dispensáveis de argumentos já que não “precisam”, seus outros fatores tem um peso muito maior, não é mesmo?

Infelizmente o termo “fator” parece vago, vou exemplificar: este ano em que votaremos em pessoas para cargos políticos, uma das melhores formas de escolha seria através da declaração de bens onde são obrigados a publicar e facilmente percebemos quem tem “mansões” que não são compatíveis com suas rendas. Todavia, alguns eleitores encontraram novos fatores, dentre eles você pode imaginar algo relacionado ao partido, a idade, beleza mas convenhamos, o importante não consta nesse fatores mas muitos escolhem a partir deles.

A Defesa

Após a escolha, descendo de um muro que muitos gostam de estar como se fosse um camarote, aproveitando o exemplo anterior; sem os ditos argumentos de quem apóia, estará usando uma base menos confiável e concreta (a opinião) que tem como alicerce um “fator”. Sim a opinião também é falha, pois não está defendo a verdade, nem a ideologia (ainda) apenas um individuo, inflando o peitoril para dizer absolutamente nada; “sim, eu gosto dele/a”, isso é humano, encontrou algo dentro de outro igual e solidariamente o difere dos outros, depois o aprecia e finalmente o apóia. Mas, também é humana sua fé, tal como o fenômeno de “fãs” trazendo em um estágio que conhecemos de fanatismo; a idolatria. Esse é outro ponto, partindo da cegueira da lucidez, as pessoas fazem às vezes o “impensável”. Sumariamente, não tem jeito, fanatismo não pensa.

A defesa também pode ser feita com um ataque, não preciso dizer muito sobre, apenas seria o inverso de suas defesas, se sem argumentos para o próprio apóio são feitos, o que sobraria em seus ataques?

Ideologia

O fanatismo anteriormente mencionado não pode ser apenas relacionado com a ignorância das pessoas. Precisa de “alguém” para pensar por elas que também será influenciado pelo extremismo. Sempre vai existir o “apelo à autoridade” que é estúpido: um fanático continua o mesmo apenas com um destaque, muitas vezes são o que chamam de “intelectuais”. Então este ser passa anos num curso superior, possivelmente vai além com um mestrado ou doutorado para “defender” o mesmo que os leigos o fazem. Pode mudar muito as opiniões, mas infelizmente este fator é forte quiçá dominante.

O pseudo-filósofo

Agora vou complicar mais um pouco quando se usa a filosofia. Aproveitando que a pessoa trabalhe na área, haverá a hierarquia de professor-aluno, o método de ensino, os conteúdos abordados são pessoais ao educador (que desde sempre digo existir a falha na instituição educacional) então, sendo pessoais se baseiam em opinião que são menos “confiáveis” e simplistas (sim o educador não pode ensinar “tudo”), limitados pelo próprio ensino que o bacharelou, está limitado em seus conhecimentos e limitará também para lecionar. Pergunte a um professor o que é um sofista, verá que nenhum irá responder que seria um “ensaio’ de professor; este é o termo não-pejorativo pois eles ensinavam na antiguidade porém limitavam os alunos de inúmeras formas para não serem superados pelos estudante e será que hoje não existe?

Compreendido o ciclo vicioso educacional, quando um fanático se torna um “filósofo” o que acontece?  Se ausente de argumentos, este individuo terá a ousadia de “criá-los” desde um mero paralogismo até o sofismo.  Então, torna um fator (opinião) em “razão” que implica com a verdade. Como acabar com isso? Quebrando o ciclo que infelizmente é pessoal (irônico). O herói estará se deparando com absurdos que preferirá sair em busca da verdade sozinho ou seja não se baseará apenas no ensino com também irá expandi-lo. O herói será um filósofo de fato; que não está interessado em defender pessoas mas em expandir os conhecimentos em busca da sabedoria que diluirá os sofismos e desmitificando os pseudo-filósofos.

Exemplo: o atrito entre Schopenhauer e Hegel.

As Gerações

Não poderia esquecer que na sociedade existe diversas formas de criar os “pimpolhos”, com ou sem dogmas, teístas ou ateus não importa muito o problema que se detecta é uma “memória histórica” que os pais tentam impregnar nas crianças, fazendo elas “viverem” um passado que nunca tiveram ou seja; um mundo paralelo. É possível nessa “carga” serem acrescentado algum tipo de “emoção” que será refletido em seu molde. Todos os pais criam seus filhos a partir de um molde pré-estabelecido pela sociedade que se por acaso isso não ocorra, será marginalizado e excluído pela mesma.

Um desvio óbvio que está acontecendo foi a “desilusão” paternal sobre seus passados, possivelmente pode ter ocorrido de duas formas na mesma época( Guerra Fria / Ditadura Militar): dos avós cercarem a “liberdade” dos futuros pais ou que os pais sentiram um mundo muito “limitante” e que não queriam que ocorresse com seus filhos então, tiveram a idéia de “dar” liberdade total, o que em minha ótica isso significa que os pais se prenderam novamente e seus filhos os consideram como “bancos ou escravos”, o que é essa liberdade a final?

É muito difícil eu dizer  já que não comprei o passado anterior a minha existência para “vivê-lo” mas isso não significa que não existe porém o ambiente não é mais o mesmo então os dito-cujo pais não perceberam a “pequena” mudança da democracia? Estariam então fazendo muito mais que o necessário, dando privilégios aos filhos que jamais tiveram para que? Ah sim, a liberdade, fico admirado pelo ideal construído pelos homens mas para mim é estranha, se imagina como o ápice: pessoas fazendo várias coisas que queriam fazer felizes sem interferências mas, suas escolhas não lhe prendem a tarefas que gostam, que as fazem prisioneiras ao próprio prazer?

A busca da “felicidade” é simplesmente ditada apenas pelo prazer? Este parece o pensamento jovial que o vicia em seus sonhos superficiais, pois a felicidade é passageira, não é fixa a pontos que interligam as pessoas então não só disso a pessoa consegue “viver” então não é que voltamos à ditadura?

Mídia

Ela tem um papel muito importante desde informar à desinformar. É a cultura que aparece por trás da tela e do som. Infelizmente se percebeu com os pontos de audiências que no Brasil cultura é: reality shows, futebol, bundas e peitos. Então houve a revolta, contrariando a própria vontade de assistir a TV muitos decidiram nem chegar perto, usaram o bordão: “ desligue e a TV e leia um livro”. Pois bem, parece não ter surtido o efeito desejado já que os próprios manifestantes não conseguem se desgrudar do televisor de plasma (outra indicação que a mídia venceu).

Como consta no post “Industria Cultural”, vai ser difícil controlar todos as classes do país então a TV fechada seria uma das opções ( que não se compara com a internet) tanto que estão alimentando agora com programas “nacionais”e vamos ver se a idealização governamental funciona.

Prosumer

Significa algo maior que a situação da sociedade (não apenas brasileira) está “sofrendo” com a “Nova Mídia” acompanhada da “contra-reforma” de suas antecessoras tentando controlar seus públicos (o que evidentemente não está surtindo efeito). Infelizmente até a inovação apresenta “recaídas” (ninguém se esquece dos anúncios atrapalhando nosso lazer) não muito grave apenas detalhes que acredito passageiros. Não posso dizer que é uma revolução (gostaria) mas ainda falta muito trabalho. A sociedade não mudou, está trazendo a tradição anterior para novos cômodos o que em minha opinião isso não é bom, pois existe uma nova platéia que simplesmente ignora e volta para seus interesses. Então quem está querendo faturar nesse meio não precisa pensar, a audiência vai mostrar os seus números (e eventuais comentários).

Ainda no mesmo enredo, porém numa ótica nacional:  apesar dessa cultura ser importada dos norte-americanos, muitos tentam reproduzir aquilo como se fosse algo “bom” o empecilho é simplesmente que nós não somos da terra do tio Sam então não estamos acostumados com as novas atitudes assim como a nova  “webetiqueta”

Resultado: Alienação

Com certeza é  um caminho que será traçado por aqueles que caíram nas armadilhas citadas acima dentre muitas outras que infelizmente não mencionei, tentei enxugar o máximo possível, pois sabia que o texto seria muito longo e ai está uma base para futuros pensamento e teses, talvez necessite de alguns reparos.

Brasil: Início de Eleições, mais confusão…

dezembro 15, 2009

Faz tempo que não falo desse assunto, eleições… É muito engraçado as bocas de urnas de agora, desrespeitam os políticos concorrentes e, seus aliados são ‘’santos’’. É claro que não iria apoiar um concorrente mas, o mínimo não está sendo comprido: o respeito. Também se esqueceram que os políticos estão no mesmo saco, a única certeza é o passado e não o futuro, promessas são sempre feitas e sempre desfeitas após a entrada na ‘’esfera’’ política.

Digo esfera porque os integrantes tem muitos privilégios e poucos deveres, nós contribuintes pagamos 4 meses para os impostos enquanto eles são isentos disso, nós respeitamos as leis de transito, eles não pagam multas, estamos trabalhando, eles viajando, trabalhamos muito e ganhamos pouco, eles não trabalham e ganham muito, a aposentadoria é reduzida a um salário mínimo, e eles ganham o mesmo salário independentemente se é aposentado ou não, o nosso dinheiro é suado, os deles são roubados, o criminoso cumpre o que deve na cadeia, eles cumprem nas mansões, os desonestos sofrem punições, eles riem da nossa cara, o dinheiro não compra a felicidade, eles compram os votos…

 Você acha mesmo que estamos numa DEMOCRACIA ou numa OLIGARQUIA?

 É eu sei que este texto está generalizando mas, não descarto o que alguns de lá fazem…A corrupção(mais antiga que o dinheiro) ela é fruto de Impunidade e Oportunidade,  e com nossas leis obsoletas e fiscais corrompidos fica difícil resolver esse problemão. Assim devem-se fazer perguntas do tipo: em quem vou votar? Porque ele/a merece meu voto? Qual é o passado dessa pessoa?Será que ele é meu representante lá?O que ele pode fazer por nós?

O seu voto vale muito mais do que uma cesta básica ou um emprego publico, vale 4 anos de nosso país, você tem um poder de erguer uma grande Nação que é o seu, o meu, o nosso Brasil, um país que nós podemos mudar de uma vez por todas….Hoje o Brasil é a 9ª maior economia do mundo !!! Então pense antes de votar…

ORGULHO DE SER BRASILEIRO

setembro 19, 2009

Os brasileiros acham que o mundo todo presta, menos o Brasil. E realmente parece que é um vício falar mal do Brasil. Todo lugar tem seus pontos positivos e negativos, mas no exterior eles maximizam os positivos, enquanto no Brasil se maximizam os negativos. 
    Na Holanda, os resultados das eleições demoram horrores porque não ha nada automatizado. Só existe uma companhia telefônica e (pasmem!) se você ligar reclamando do serviço, corre o risco de ter seu telefone temporariamente desconectado. 
    Nos Estados Unidos e na Europa, ninguém tem o hábito de enrolar o sanduíche em um guardanapo – ou de lavar as mãos – antes de comer. Nas padarias, feiras e açougues europeus, os atendentes recebem o dinheiro e com mesma mão suja entregam o pão ou a carne. 
    Em Londres, existe um lugar famosíssimo que vende batatas fritas enroladas em folhas de jornal – e tem fila na porta. 
    Na Europa, não-fumante é minoria. Se pedir mesa de não-fumante, o garçom ri na sua cara, porque não existe. Fumam até em elevador. 
    Em Paris, os garçons são conhecidos por seu mau humor e grosseria e qualquer garçom de botequim no Brasil podia ir pra lá dar aulas de “Como  conquistar o Cliente”. 
    Você sabe como as grandes potências fazem para destruir um povo? Impõem suas crenças e cultura. Se você parar para observar, em todo filme dos EUA a bandeira nacional aparece, e geralmente na hora em que estamos emotivos. 
    Temos uma língua que, apesar de não se parecer quase nada com a língua portuguesa, é chamada de língua portuguesa, enquanto que as empresas de software a chamam de português brasileiro, porque não conseguem se comunicar com os seus usuários brasileiros através da língua Portuguesa. 
    Somos vitimas de vários crimes contra nossa pátria, crenças, cultura,língua, etc… Os brasileiros mais esclarecidos sabem que temos muitas razões para resgatar nossas raízes culturais. 
    Os dados são da Antropos Consulting:

 1. O Brasil é o país que tem tido maior sucesso no combate à AIDS  e de outras doenças sexualmente transmissíveis, e vem sendo exemplo mundial.
 
 2. O Brasil é o único país do hemisfério sul que está participando do Projeto Genoma. 
 
3. Numa pesquisa envolvendo 50 cidades de diversos países, a cidade do Rio de Janeiro foi considerada a mais solidária. 

4. Nas eleições de 2000, o sistema do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) estava informatizado em todas as regiões do Brasil, com result ados em menos de 24 horas depois do início das apurações. O modelo chamou a atenção de uma das maiores potências mundiais: os Estados Unidos, onde a apuração dos votos teve que ser refeita várias vezes, atrasando o resultado e colocando  em xeque a credibilidade do processo. 

5. Mesmo sendo um país em desenvolvimento, os internautas brasileiros representam uma fatia de 40% do mercado na América Latina. 

6. No Brasil, temos 14 fábricas de veículos instaladas e outras 4 se instalando, enquanto alguns países vizinhos não possuem nenhuma. 

7. Das crianças e adolescentes entre 7 e 14 anos, 97,3% estão estudando.
 
8. O mercado de telefones celulares do Brasil é o segundo do mundo, com 650 mil novas habilitações a cada mês. 

9. Na telefonia fixa, nosso país ocupa a quinta posição em número de linhas instaladas. 

10. Das empresas brasileiras, 6.890 possuem certificado de qualidade ISSO 9000, maior número entre os países em desenvolvimento. No México, são apenas 300 empresas e 265 na Argentina. 

11. O Brasil é o segundo maior mercado de jatos e helicópteros executivos.
 
Por que temos esse vício de só falar mal do nosso Brasil? 

1.Por que não nos orgulhamos em dizer que nosso mercado editorial de livros é maior do que o da Itália, com mais de 50 mil títulos novos a  cada ano? 

2. Que temos o mais moderno sistema bancário do planeta? 

3. Que nossas agências de publicidade ganham os melhores e maiores  prêmios mundiais? 

4. Por que não falamos que somos o país mais empreendedor do mundo e que mais de 70% dos brasileiros, pobres e ricos, dedicam considerável parte  de seu tempo em trabalhos voluntários? 

5. Por que não dizemos que somos hoje a terceira maior democracia do mundo? 

6. Que apesar de todas as mazelas, o Congresso está punindo seus próprios membros, o que raramente ocorre em outros países ditos civilizados?
 
7. Por que não nos lembramos que o povo brasileiro é um povo hospitaleiro, que se esforça para falar a língua dos turistas, gesticula e não mede esforços para atendê-los bem? 

8. Por que não nos orgulhamos de ser um povo que faz piada da própria desgraça e que enfrenta os desgostos sambando. 
 
É! O Brasil é um país abençoado de fato. 
Bendito este povo, que possui a magia de unir todas as raças, de  todos os credos. 
Bendito este povo, que sabe entender todos os sotaques. 
Bendito este povo, que oferece todos os tipos de climas para contentar  toda gente. 
Bendita seja, querida pátria chamada Brasil! 
 
Divulgue esta mensagem para o máximo de pessoas que você puder.
Com essa atitude, talvez não consigamos mudar em cada brasileiro que ler estas palavras irá, pelo menos, por alguns momentos, refletir e se orgulhar de ser BRASILEIRO!!!

<<Post 50>>

O petróleo e o Brasil(Capítulo 2)

setembro 13, 2009

O petróleo é um recurso natural abundante, porém sua pesquisa envolve elevados custos e complexidade de estudos. É também atualmente a principal fonte de energia. Serve como base para fabricação dos mais variados produtos, dentre os quais destacam-se: benzinas, óleo diesel, gasolina, alcatrão, polímeros plásticos e até mesmo medicamentos. Já provocou muitas guerras, e é a principal fonte de renda de muitos países, sobretudo no Oriente Médio.

Além de gerar a gasolina que serve de combustível para grande parte dos automóveis que circulam no mundo, vários produtos são derivados do petróleo como, por exemplo, a parafina, GLP, produtos asfálticos, nafta petroquímica, querosene, solventes, óleos combustíveis, óleos lubrificantes, óleo diesel e combustível de aviação.

O petróleo no Brasil

No Brasil, a primeira sondagem foi realizada no município de Bofete no estado de São Paulo, entre 1892 e 1896, por iniciativa Eugênio Ferreira de Camargo. Foi responsável pela primeira perfuração, até à profundidade de 488 metros, que teve como resultado apenas água sulfurosa. Em 1932 foi instalada a primeira refinaria de petróleo do país, a Refinaria Rio-grandense de Petróleo, em Uruguaiana, a qual utilizava petróleo importado do Chile, entre outros países.Foi somente no ano de 1939 que foi descoberto óleo em Lobato (Salvador), no estado da Bahia.

Pré-sal

Pré-sal é a denominação das reservas petrolíferas encontradas abaixo de uma profunda camada de sal no subsolo marítimo, também chamada de subsal. As rochas reservatório deste tipo de região normalmente são encontradas em regiões muito profundas, de difícil localização e de acesso mais complexo. A maior parte das reservas petrolíferas “pré-sal” ou “subsal” atualmente conhecidas no mundo estão em áreas marítimas profundas e ultra-profundas.

A primeira reserva petrolífera em área pré-sal no mundo ocorreu no litoral brasileiro, onde passaram a ser conhecidas simplesmente como “petróleo do pré-sal” ou “pré-sal”. Estas também são as maiores reservas conhecidas em zonas da faixa pré-sal.

Depois do anúncio da descoberta de reservas na escala de vários bilhões de barris, em todo o mundo começaram processos de exploração em busca de petróleo abaixo das rochas de sal nas camadas profundas do subsolo marinho. Atualmente as principais áreas de exploração petrolífera com reservas potenciais ou prováveis já identificadas na faixa pré-sal estão no litoral do Atlântico Sul. Na porção sul-americana está a grande reserva do pré-sal no Brasil, enquanto, no lado africano, existem áreas pré-sal em exploração no Congo (Brazzaville)e no Gabão. Também existem áreas pré-sal sendo exploradas Golfo do México e no Mar Cáspio, na zona marítima pertencente ao Cazaquistão.

As reservas de petróleo encontradas na camada pré-sal do litoral brasileiro estão dentro da área marítima considerada zona econômica exclusiva do Brasil. São reservas com petróleo considerado de média a alta qualidade, segundo a escala API. Estão localizadas nas águas territoriais brasileiras e na zona econômica exclusiva. O conjunto de campos petrolíferos do pré-sal se estende entre o litoral dos estados do Espírito Santo até Santa Catarina, com profundidades que variam de 1000 a 2000 metros de lâmina d’água e entre quatro e seis mil metros de profundidade no subsolo, chegando portanto a até 8000m da superfície do mar, incluindo uma camada que varia de 200 a 2000m de sal[3]. Segundo Márcio Rocha Mello, geólogo e ex-funcionário da Petrobras, a área do pré-sal poderia ser bem maior do que os 800 quilômetros, se estendendo de Santa Catarina até o Ceará.[4]

Apenas a descoberta dos três primeiros campos do pré-sal, Tupi, Iara e Parque das Baleias já dobraram as reservas brasileiras comprovadas, que eram de 14 bilhões de barris e agora são de 33 bilhões de barris. Além destas existem reservas possíveis e prováveis de 50 a 100 bilhões de barris.

A descoberta do petróleo nas camadas de rochas localizadas abaixo das camadas de sal só foi possível devido ao desenvolvimento de novas tecnologias como a sísmica 3D e sísmica 4D, de exploração oceanográfica, mas também de técnicas avançadas de perfuração do leito marinho.

Administração do pré-sal

O governo brasileiro pretende criar uma nova estatal que está sendo chamada provisoriamente de Petrosal. Esta nova empresa não seria destinada à exploração direta do petróleo mas principalmente à administração dos mega-campos e a contratação de empresas petrolíferas para explorá-los em parceria com a Petrobras, definido conjuntamente com o Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). É provável que esta empresa fique responsável pela gestão da parte do petróleo que ficará como pagamento para o governo no novo modelo de partilha de produção. Ainda não está claro se esta empresa também poderá investir em desenvolvimento tecnológico da área.

Alguns setores da sociedade brasileira chegaram a defender que a Petrobras tivesse exclusividade na gestão e exploração dos campos, mas o governo afirma que isto seria inviável no novo modelo de partilha de produção, pois existe uma grande participação de capital privado na empresa e o risco desta tornar-se poderosa demais.

<<Post 50>>

7 de Setembro – Independência do Brasil

setembro 7, 2009

Já podeis, da Pátria filhos,
Ver contente a mãe gentil;
Já raiou a liberdade
No horizonte do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Os grilhões que nos forjava
Da perfídia astuto ardil…
Houve mão mais poderosa:
Zombou deles o Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Não temais ímpias falanges,
Que apresentam face hostil;
Vossos peitos, vossos braços
São muralhas do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

Parabéns, ó brasileiro,
Já, com garbo varonil,
Do universo entre as nações
Resplandece a do Brasil.

Brava gente brasileira!
Longe vá… temor servil:
Ou ficar a pátria livre
Ou morrer pelo Brasil.

<<Post 50>>