Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Manifesto Suprimista

outubro 3, 2013

Suprir a necessidade assim como a planta preenche as fendas das calçadas. Cada lugar que vemos que falta algo ou que há excesso ou perturbações do ambiente que precisam ser equilibrados, dando sentido, complementado-as.

Uma segunda harmonia que entra em conflito com a perspectiva da sociedade que pensa puramente na manutenção, se esquecendo da precariedade e maquiagem da mesma. Por pintura nova em carros enferrujados, o que resolve? O que mascara?

A nossa visão é de deixar os problemas a amostra, mas que defeitos sejam mostrados com criatividade e não simplesmente escondidos, deixando o ambiente menos artificial, menos humano. A natureza irá tomar conta no final mas antes a nossa transição artística.

Por exemplo: “esta arte” num banheiro deixa o ambiente “apresentável”, suprindo a necessidade de um ambiente mais agradável, menos nojento. Até quem passar por lá terá um certo orgulho de coexistir um movimento artístico tão próximo e íntimo como nesse local.

Os materiais não são nada profissionais ou apropriados para os outros movimentos urbanos, será amadora com materiais a mão, de fácil acesso, e de fácil remoção.

A arte tem seu tempo, sua validade, sua renovação ou depredação. Não há então metas transcendentais de perpetuá-la pois, o tempo irá corrompe-la e a natureza irá conquistá-la e harmonizá-la.

Há porém a necessidade de referências de sua epifania, de sua reinterpretação, para então vermos o foco e sua origem. Para vermos a trajetória de pensamentos interferindo com as antigas, e as novas se refazendo numa reconstrução que mantenha certa coerência com o seu passado e projeção futura.

E que nossas influências no ambiente tanto são arte para nós como uma denúncia para a sociedade leiga. Digo leiga porque não entendem como arte – nem sabemos a totalidade do que é arte afinal – entretanto por essa ignorância pensam e querem limpar do local aquilo que chamam de depredação ou vandalismo, deixando ironicamente as avarias.

Infelizmente não entendemos o porquê disso, sendo que o local já é um descaso público ou privado e mesmo assim estão mais preocupados com o que nós fazemos! Do que fazemos com as danos decorrentes da falta de manutenção!

Então nos perguntamos se as autoridades previnem ou remediam esses problemas. Pelo que estamos vendo, preferem remediar e então o nosso movimento sempre vai existir até que se mude esse hábito.

Pior é que entendem como um crime contra o patrimônio não zelado nem por eles. Se fossemos para consertar nem diriam “obrigado”. Mas nossa arte é tão provocativa que chama mais a atenção do que o próprio problema estético.

Então os defeitos ou imperfeições fazem parte do nosso meio, tanto no corpo como na sociedade inserida num ambiente artificial humano. Esconde-los é um ato tosco então temos duas opções: mostrar ou consertar.

Nós decidimos mostrar!

O Grito - reinterpretação suprimista

O Grito – reinterpretação suprimista (incompleto)

Anúncios

Respeitar e tolerar: atos distintos

maio 30, 2013

RESPEITO
sm (lat respectu) 1 Ação ou efeito de respeitar ou respeitar-se. 2 Aspecto ou lado por onde se encara uma questão; consideração, modo de ver, motivo, razão.3 Apreço, atenção, consideração. 4 Acatamento, deferência. 5 Obediência, submissão. 6 Referência, relação. 7 Medo, temor. 8 Direito, justiça, razão. Antôn(acepção 3): desconsideração

TOLERÂNCIA
sf (lat tolerantia) 1 Qualidade de tolerante. 2 Ato ou efeito de tolerar, de admitir, de aquiescer. 3 Direito que se reconhece aos outros de terem opiniões diferentes ou até diametralmente opostas às nossas. 4 Boa disposição dos que ouvem com paciência opiniões opostas às suas. 5 Disfarce ou dissimulação a respeito de uma coisa proibida. 6 Permissão concedida ao estudante militar para frequentar a cadeira ou disciplina em que foi reprovado. 7 Pequenas diferenças para mais ou para menos, legalmente permitidas no peso ou no título das moedas.8 Sociol Atitude social de quem reconhece aos outros o direito de manifestar diferenças de conduta e de opinião, mesmo sem aprová-las. T. civil: permissão concedida pelo governo para uso de cultos que não são do Estado. T. eclesiástica: o mesmo que tolerância teológica. T. medicamentosa: aptidão para suportar doses exageradas de uma substância, ou suportá-la por muito tempo. T. política: atitude do governo ou partido político que admite a existência de outros partidos que não concordem com seus princípios. T. religiosa: atitude governamental em que se concede plena liberdade de culto. T. teológica:condescendência em consentir todas as opiniões que não são abertamente contrárias à doutrina da Igreja.

logica

Acima do post temos as definições de respeito e tolerância, que pelas linhas argumentativas como estão se contaminando em questões políticas e musicais, “não critica, respeite”(como no exemplo) já está passando do ridículo para preocupante.Não me refiro a um “simancol” mas a questões da autocrítica e da crítica construtiva além do ponto principal: da diferença entre respeitar e tolerar.

Envolve aspectos morais e éticos mas não deveria virar uma espécie de clichê, pois acredito que em sua maioria tentam justificar o “injustificável”, um exemplo foi o que acontecia quando entravam no ônibus e já no volume máximo para todo mundo acordar com o funk, se falasse para abaixar iria ouvir algumas pérolas desse “respeito”, mas que respeito? (não estou discutindo a conteúdo da música mas a obrigação que teríamos de ficar ouvindo a música) Bem depois de tanto conflito, os fones foram obrigados de usar.

Na política nem mesmo aqueles que pertencem ao movimento podem propor a crítica como se fosse uma afronta, apenas os oposicionistas teria o direito dessa conjectura. Nas eleições parece mais um partida de futebol, o que importa é vencer e para isso precisam apenas de “mais votos”.

Nesses casos não existe só o “tem que ter respeito” mas a sua escolha de ser tolerante.

Excerto do Ensaio do Pensamento

janeiro 9, 2013

Um local de pensamento não aquele com um silêncio que perturba mas que tenha um som repetitivo como um mantra assim como o tempo marcado pelo relógio. Não há necessidade nenhuma em contar tempo, apenas acompanhar o mantra que talvez afete a frequência cerebral, induzindo num estado que chamo de “orgasmo intelectual”.

Eu acho que estive enganado quase minha vida toda em acreditar que o silêncio seria a chave do “mais-pensar” mas a verdade estava num metrônomo que era nosso próprio coração, que dita velocidade e frequência e quanto mais bombear, melhor. Entretanto entrará em estado eufórico e de medo pois não poderá se acalmar tão facilmente.

Então quando os antigos diziam que o coração é alma dos poetas eles não estavam falando de uma fonte emocional, mas o segundo órgão “racional”, um mal entendido que dura a milênios…

metronomo

Corinthians Campeão no Japão – 2012

dezembro 16, 2012

Corinthians Campeão no Japão - 2012

A Cultura Blip

outubro 17, 2012

O escritor Alvin Toffler em seu livro A Terceira Onda, cunhou esse termo para completar sua idéia de que o mundo estava se afastando de uma sociedade industrial e estava acelerando em uma diversificada, a sociedade baseada no conhecimento, fazendo a transição para o mundo moderno. O “futurista” ainda não tinha presenciado a internet mas hoje nós podemos exemplificar muito bem esse termo. Por exemplo, os jornais de detalhados e com poucas imagens se transformaram em informativos com grandes imagens e pouco texto e na digitalização, 600 toques são muitos caracteres e é opcional o uso de imagens.

As 3 ondas são: primeira; a revolução agrícola, segunda; a revolução industrial e a terceira onda é a “Era da Informação” que mescla tecnologia e conhecimento, fontes essenciais ao sucesso das corporações. Hoje também é dito (por Kotler) sobre a 4ª onda, pelo “movimento verde”, a sociedade está se preocupa mais com o meio ambiente.

Hypnerotomachia Poliphili (A luta amorosa de Poliphilo em um sonho)

setembro 30, 2012

Título em latim: Hypnerotomachia Poliphili, ubi humana omnia non nisi somnium esse ostendit, atque obiter plurima scitu sanequam digna commemorat

Título em inglês: Poliphilo’s Strife of Love in a Dream

Título em português: A luta amorosa de Poliphilo em um sonho , onde não há nada, mas o sonho de um ser humano de todas as coisas, ele mostra, por sinal, e muitas coisas dignas de um decreto de se relembrar

A seguir a versão inglesa do incunábulo:

View this document on Scribd

O resumo de filosofia que se tornou filosófico

junho 13, 2012

Em um pequeno trabalho (monografia) encaminhado para os alunos, resumir capítulos aleatórios do livro “Convite à Filosofia- Chauí” tornou-se repetitivo pelas explicações homologas fazendo um resumo algo muito dispensável porem para descumprir o objetivo devido as suas circunstancias o resumo se tornou numa resenha do capitulo, deixando-o mais interessante. Entretanto até mesmo a resenha se transformou, já que superou a expectativa desse formato que se expandiu dos temas propostos e/ou discutidos trazendo novos e recentes, analisando e sintetizando todo o material fazendo ele mais completo do que o objetivo proposto: a síntese do capitulo.

Não poderia entregá-lo assim mas também fazê-lo seria inútil. Boicotamos a fim de favorecer ambos os lados; do professor que receberia um trabalho que estava superando o propósito do livro e dos alunos que de todos do grupo apenas um estava interessado porem sua nota não refletiria seus esforços em busca de algo maior do que um resumo ou resenha e do próprio livro.

O ensaio incompleto permanece esquecido…Até agora.

Introdução

Através do livro convite à Filosofia (Marilena Chauí) iremos  brevemente resumir os capítulos 7 e 11 com possíveis comentários em vermelho.

Paradoxos na Sociedade

A duvida é: ser estudante é um emprego? Os alunos estão fadados a estarem nas salas de aula cumprindo sua função mas apenas isso? Então a sociedade estaria certa em dizer “estudante estuda, não faz política”? Poderia ser esse o paradoxo; pois segundo Aristóteles somos “animais políticos” vivemos todos os dias assim porem apenas a frente saberemos o que é política. Atualmente na USP é perceptível estas idéias: de boicotes tratados como “greves” e “atividades político-partidárias” dentro do campus serem um “direito” por lei. Então fazer política são para poucos (profissionais) ou para todos?

Observamos a palavra “política”, percebemos o ato de administrar o Estado atualmente pelos políticos ou seja uma organização moderna governamental. Outro significado possível se refere ao conjunto de normas de uma gestão (por exemplo, a política escolar que interfere em todo funcionamento dessa instituição). E ainda resta o sentido pejorativo da palavra, pela qual questiona esse ato como algo ilegítimo e que por meios duvidosos obtém benefícios perante a lei (isso porque desde a época de Maquiavel a frase: “os fins justificam os meios” foram má interpretadas e generalizadas). Portanto, política seria a relação de pessoas envoltas em poderes que ocasionam mudanças, tanto no âmbito pessoal como coletivo e também com conseqüências positivas e/ou negativas. (a corrente filosófica anarquista questiona justamente a estrutura estatal pois ela não seria favorável em solucionar conflitos de forma impessoal além de se beneficiar com o “poder repressivo” pelo qual perpetuar seu controle).

Um exemplo mostrado por Chauí foi em 1993 durante o pedido de não-suspensão dos direitos políticos do ex-presidente, Fernando Collor de Mello e por todos os “cantos” só teria sua dignidade preservada se o julgamento do pedido não fosse um “julgamento político”; então os três poderes (executivo, legislativo e judiciário) não podem fazer parte da política e que o STF não poderia julgar politicamente.(?)( A greve dos policiais na Bahia  causou varias duvidas da real finalidade que por sua paralisação simplesmente a população ficou sem sua segurança então foi questionado se a greve nessa instituição não seria algo arriscado e perigoso porem não se questiona ações cometidas pelos mesmo ou seja: o poder repressivo está ciente que seu ato pode ser prejudicial à população e que como o fim do mesmo o Estado perde a razão e os próprios repressores questionam a posição do governo)

A invenção da Política

A “invenção” da política tem a função de solucionar conflitos evitando “a guerra total”. Estabelecendo ao ser humano direitos e deveres enquanto sociedade. E a própria cisma começa ao se discutir interesses conflitantes que almejam o bem comum de seus membros e de como evitar os prejuízos e benefícios?

A mídia favorece a posição pejorativa da política pelo qual a maioria da população se aliena e/ou começa a criar “esperanças utópicas políticas” e se depois se descontentam com o Estado

Barça Campeão 2011

dezembro 18, 2011

Parabéns Barça

Desde ontem, fogos anunciavam este grande dia: Santos x Barcelona, fui acordado por um destes e fiquei mais um pouco para assistir. Torço para o Barça, achava que seria uns 3×0…Me enganei, nem mesmo Robinho pode acertar o seu palpite 1×3 como um bom torcedor.

O resultado foi extraordinário 4×0, o 1º tempo nem parecia um jogo de final tampouco os 26% de posse de bola santista puderam mostrar o “jogo arte”. 3 gols  no 1º tempo, apenas no 2º tempo foi mostrado a reação mas era tarde demais restando mais um gol catalão.

Assim sendo logo após o jogo, parece me que os jogadores do time espanhol comemoraram com o prato de Padilha com acompanhamento de peixe, e muito fogos serão usados só nas festas de Natal e Ano Novo…

*** LEMBRETES ***

Nota sobre os PM’s na USP

novembro 3, 2011

Espero que fiquem. Pela segurança de todos os alunos.

Para aqueles que concordam com a DCE eu realmente espero que sofram as conseqüência do fato com a qual estariam sem segurança: que sejam roubados, seqüestrados e estuprados para caírem na real de que o ocorrido no dia 27 de outubro foi um procedimento padrão, o que esperavam? Que os policiais apenas passeariam pelo campus?

Se verdadeiramente vocês da DCE são muito “organizados” porque não aproveitaram porque não aproveitaram sua “estrutura” para montarem uma “guarda estudantil”? Vocês conseguiram que aparecessem 500 alunos para o “protesto retrógado” que acham que estão sendo reprimidos com a prisão de 3 maconheiros. É por isso que querem lutar? Se tem algum tipo de “coligação com partidos políticos de esquerda” por que não aprendem um pouco sobre “política” ao invés de “botânica”?

Feliz Aniversário – 2 anos

setembro 7, 2011

É um pouco comico ao entrar num blog e ver os posts de aniversário na mesma página, bem, deu para perceber que este ano não foi feito para o blog porém mesmo sem novas postagens tivemos mais de 27.000 visualizações ^^

Muito Obrigado e Volte Sempre

***

Duvido que eu consiga postar algo mas a esperança é a ultima que morre…